Home arrow Opinião
Home
Noticias
Opinião
Documentos
Deputados e Autarcas
Europeias
Links
lona_bloco_esq3.jpg 
174498_100000543522837_4418365_n.jpg 

adere.jpg

videos_parlamento1.jpg

tempos_de_antena1.jpg

Newsletter






imagesca50a94m.jpg 
imagescaf9tpoc.jpg 
MEGA ALMOÇO
almoco27set15.jpg

Sob rasura Imprimir e-mail

vale.jpgAs medidas de austeridade recentemente anunciadas pelo Primeiro Ministro e pelo seu Ministro das Finanças vieram definitivamente consolidar a ideia de incompetência e de alienação que a generalidade dos portugueses tinham em relação a este governo e aos seus membros. Tudo aquilo que nos tem sido dito, | ao longo destes últimos anos, não existia, não acontecia e não era. Aquilo que não nos diziam, existia, acontecia e era. Portugal viveu (e vive) assim, distorcido de si mesmo. Neste momento, concerteza, não haverá um único português que não se questione e não receie tudo o quanto ainda poderá sofrer num futuro próximo – ainda nos últimos dias, confrontado com a previsão de uma recessão portuguesa em 2011, realizada pelo FMI, o Ministro Vieira da Silva assobiou para o lado, dizendo que esse organismo já anteriormente se enganou em relação às previsões para Portugal e, portanto, esta previsão será apenas mais um engano, claro. Face à violência de tudo aquilo que foi anunciado, curiosa (ou não) é a atitude dos órgãos de comunicação social que, num frenesim diário, vão difundindo em massa a inevitabilidade desse nosso “fado”.

Ler mais...
 
Ensino, Centenário e Inauguração Imprimir e-mail

48892_784944107_9030_n.jpgCom cerca de 3/4 de analfabetos, a implantação da República em 1910 marca um ponto de viragem revolucionário no contexto ideológico e programático da educação nacional. Se o estado desastroso do ensino era da responsabilidade do Estado, os republicanos pensavam (agora percebe-se a ingenuidade) quão fácil seria mudar; bastaria tão só um esforço legislativo. E assim se fez, com visíveis repercussões, como conclui Oliveira Marques - “o grande mérito da 1.ª República está na capacidade para fornecer a legislação e o enquadramento para uma revolução do ensino em Portugal”.
A reforma data de 1911 e tem particular incidência no ensino primário e superior. O ensino primário é confiado aos municípios. Criam-se três escolas Normais (de formação de professores): Lisboa, Porto e Coimbra. São fundadas as universidades de Lisboa e Porto. As escolas comerciais e industriais foram-se generalizando. É reestruturado o Ministério da Instrução Pública.
A instabilidade política e os fracos recursos económicos não deixaram a República chegar mais longe, mas o país ficou marcado por esta revolução legislativa profunda. O reformador à época, Newton de Macedo, refere que obra da República em matéria de ensino bastaria só por si para justificar a mudança de regime em 5 de outubro.
No entanto, os resultados conseguidos foram pouco satisfatórios, o analfabetismo pouco diminui (cerca de 10%) e o panorama da instrução em Portugal era ainda tremendamente desanimador. Faltou essencialmente dinheiro para consumar a reforma na modernização e construção de equipamentos.
Com o Estado Novo, a destruição de todo o espírito de renovação trazido pela República começou pela escola. Salazar apregoa: “analfabetos eram os marinheiros do Gama e chegaram à Índia”. De carácter fortemente ideológico, centrada na divulgação dos valores da pátria, família e autoridade, a política educativa visava formar uma juventude subserviente e passiva. A aposta nas obras públicas com a construção de numerosos edifícios públicos escolares não mascarou uma taxa de 1/4 da população de analfabetos e um baixo índice de escolaridade a que chegámos em 1974. Porém, a obra física é ainda bem perceptível.
Com o 25 de Abril, o sistema educativo em Portugal alterou-se profundamente. A diarreia legislativa com reformas e contra-reformas geraram entropia no sistema que redundaram em níveis de escolaridade ainda muito baixos; desempenhos deficientes dos nossos alunos quando comparados com países mais desenvolvidos e ainda uma taxa de analfabetismo de quase 10%.

Ler mais...
 
Mão severa no mexilhão Imprimir e-mail

100_1931www.jpgDesde o passado dia 29 de Setembro que é manchete o plano de austeridade que o governo voltou a apresentar em dia, e à hora, de jogo do Benfica. Tanto que eu, benfiquista assumidamente doente, ouvia as declarações do Primeiro Ministro enquanto via o jogo do meu glorioso. O Braga jogara no dia anterior, Porto e Sporting jogavam Quinta-Feira, não descurando o grande jogo de Domingo, na Luz, entre os dois "milionários". Passado pouco mais de uma semana jogava a selecção cujos resultados e polémicas provoca(va)m o burburinho que sabemos e isto num país que, como já disse num outro artigo, pela bola tudo esquece. E que seria de nós sem a bola, de que haveríamos de falar, que assuntos seriam mais importantes que a absurda querela entre F.C.P. e S.L.B. lançada à duas décadas pelo senhor Jorge Nuno?

Adiante. Que melhor altura para lançar a público, e logo depois da "atenuante" visita do secretário geral da OCDE que, aconselhava exactamente medidas austeras para a recuperação económica de um Portugal que desde há 300 anos, só em 41 de regime ditatorial conseguiu alguma estabilidade que, em semanas tão importantes no que diz respeito ao futebol?

Ler mais...
 
Centenário da república portuguesa Imprimir e-mail

vale.jpgNesta data particular em que assinalamos 100 anos sobre o 5 de Outubro de 1910, a República não se deve resumir à contemplação estática do passado, enumerando todas as suas virtudes e/ou todos os seus defeitos. Querendo aqui transpor o domínio da retórica fácil das evocações nostálgicas, poderemos iniciar por questionar:


- O que foi a República?
Já Antero de Quental respondeu, advertindo:
“A República não é somente o direito abstracto e filosófico proclamado com paixão aos ventos do vago céu da história; é o direito económico, fiscal, administrativo, prático e palpável, realizando-se palmo a palmo, visivelmente, experimentalmente, na sociedade de cada dia, na vida de cada hora, no indivíduo como na colectividade, encarnando nos factos e movendo-se como a realidade mais palpitante.”

Ler mais...
 
País inclinado Imprimir e-mail

tiago_gillot.jpgAntónio Mendonça insinuou que o baixo número de utilizadores da Linha do Tua não justifica a sua manutenção. O ministro das Obras Públicas não tem só falta de jeito: pensa mesmo assim.

 

(Tiago Gillot) 

“Quase mais vale dar um carro a cada um por ano, incluindo o combustível, que ficava mais barato”. Foi assim que, numa passagem pelo parlamento no final da semana passada, António Mendonça se referiu Linha do Tua, insinuando que o baixo número de utilizadores não justifica a sua manutenção. O ministro das Obras Públicas não tem só falta de jeito: pensa mesmo assim.

E está, infelizmente, longe de ser o único. Basta notar as declarações do secretário de Estado dos Transportes, Carlos Correia da Fonseca, quando tentava vir em defesa da gaffe do ministro: “ninguém está a abandonar as populações, as populações é que têm vindo a abandonar o interior”. Ou seja, a culpa é das pessoas: elas é que não aguentam.

Ler mais...
 
Os dilemas das barragens Imprimir e-mail

ricardo_coelho.jpgEstamos num país onde o desperdício de energia atinge os 60%. Perante isto, a prioridade deve ser a gestão da procura, não da oferta, conforme tem sido defendido pelas ONGs ambientalistas.

 

opiniao | 30 Junho, 2010 - 00:20 | Por Ricardo Coelho

 

 

O debate sobre as barragens encontra-se sempre condicionado pela chantagem que consiste em escolher entre a água e o carvão. Mas apenas faz sentido ter este debate tendo em conta as implicações da opção hidroeléctrica para os dilemas ecológico, social e energético. Vejamos então como se comporta o Plano Nacional de Barragens (PNB).

Ler mais...
 
<< Início < Anterior | 1 2 3 4 5 6 | Seguinte > Final >>

Resultados 25 - 30 de 35
14993311_1064715030307330_3817998840497024648_n.jpg
OE2017
banner_xconv.jpg
Candidatos
autoc1_2015.jpg
Vota BE
tit_webloco.png
 Portal Esquerda.net
 Portal do Bloco de Esquerda
 Portal do Grupo Parlamentar do BE
bloco-nas-autarquias.jpg
beinternacional.jpg
Jornal
capajornalnov16.jpg
Vírus

capa virus

ParticipAcção
participa22.jpg
Manifesto Eleitoral 2015
estrelabra.jpg
© 2017 Site Distrital de Bragança - Bloco de Esquerda
Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.