Home
Home
Noticias
Opinião
Documentos
Deputados e Autarcas
Europeias
Links
lona_bloco_esq3.jpg 
174498_100000543522837_4418365_n.jpg 

adere.jpg

videos_parlamento1.jpg

tempos_de_antena1.jpg

Newsletter






imagesca50a94m.jpg 
imagescaf9tpoc.jpg 
MEGA ALMOÇO
almoco27set15.jpg

Degradação generalizada do serviço dos CTT no distrito de Bragança

questoes-gp_1366.jpgA população do distrito de Bragança tem denunciado várias situações de atrasos na distribuição do correio, um aumento do tempo de espera aos balcões dos CTT e uma notória falta de pessoal nas suas estações. A distribuição, que deixou de ser diária para passar a ser em dias alternados ou ainda com mais espaçamento, não garante a qualidade do serviço a que as populações estavam habituadas e é um dos principais problemas apontados. Além disso, o serviço público tem que estar assegurado como parte do acordo feito aquando da privatização dos CTT, o que não tem estado a ser cumprido.

Existem áreas no distrito que chegam mesmo a não ter distribuição durante uma semana inteira. Os concelhos com mais atrasos são o Vimioso, Mirandela e Torre de Moncorvo, havendo localidades onde o carteiro passa apenas uma vez por semana.

Os próprios trabalhadores dos CTT afirmam que o serviço se degradou consideravelmente nos últimos tempos. Desde a privatização da empresa que há menos 1018 trabalhadores ao serviço e foram encerradas 133 estações e 90 postos de correio. Depois deste acto altamente lesivo para o país - que ocorreu durante a anterior governação PSD/CDS - é notório que a administração tem apostado no serviço bancário, desvalorizando a função primordial de distribuição de correio, retirando trabalhadores dos serviços postais para os colocar no serviço de banca.

Estas opções de gestão originam filas de espera e consequentes queixas das populações. Acompanhando a degradação dos serviços, há um claro aumento da precariedade laboral entre os trabalhadores da empresa. O serviço de entrega foi passado a várias empresas em regime de externalização, foi aumentado o percurso dos giros e a distribuição diária acabou. Em Bragança, Mirandela, Macedo de Cavaleiros e Carrazeda de Ansiães, um profissional chega a fazer duas zonas.

Ler mais...
 
VIII Encontro Nacional do Trabalho do Bloco
8encontrotrabalho.jpg
Está publicado o documento base do debate no VIII Encontro Nacional do Trabalho do Bloco, que se realiza no dia 1 de abril a partir das 10h30 na Escola Pedro Nunes, em Lisboa. Participa neste encontro e inscreve-te aqui . O Bloco organiza transporte a partir de várias regiões do país.  Ler documento "Destroikar as relações laborais".
 
Folheto do Bloco sobre precariedade
capafolheto201702.jpg
O combate ao trabalho precário no Estado e no privado é o tema central do folheto que o Bloco distribui em fevereiro e março por todo o país. Outros temas em destaque: nas leis laborais, a exigência de justiça para quem trabalha; e o ponto de situação do acordo para parar o empobrecimento, por Catarina Martins. Ler folheto.
 
Bloco de Esquerda teme que a exploração das minas de Torre de Moncorvo não chegue a avançar
20161209_222713.jpg

Notícia da Rádio Brigantia.

 O Bloco de Esquerda teme que a exploração das minas de Torre de Moncorvo possa demorar ou nem sequer chegue a avançar.Apesar de o contrato de exploração das minas ter sido recentemente assinado, o deputado bloquista José Manuel Pureza frisa que as formalidades têm de ser ultrapassadas para poder agilizar o processo.

“Sabemos bem que, noutras ocasiões, as formalidades de abertura de processos de laboração, depois não tiveram correspondência em efectiva laboração. Nós debater-nos-emos para que isso seja possível porque é muito importante para a economia local. Terão de haver um conjunto de infra-estruturas, não só rodoviárias mas também ferroviárias para que se tenha capacidade de escoamento para o resultado da produção das minas. De outra forma, é um bloqueio e um factor de encarecimento para a região”, salientou.

Ler mais...
 
O que quer o Bloco? Sessão com José Manuel Pureza em Torre de Moncorvo
Pureza em Moncorvo
 
Novos canais na TDT - mais uma medida do BE com impacto em Bragança

 

vertv.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

COMUNICADO  

  A partir das 00:00 de 1 de dezembro, a RTP3 e a RTP Memória arrancam na TDT sem publicidade, sendo esta substituída por espaços de promoção e divulgação cultural.

No cabo, os canais mantêm a publicidade.

Atualmente, a TDT disponibiliza a RTP1, RTP2, SIC, TVI e Canal Parlamento na TDT.

Está ainda previsto que sejam atribuídas licenças para dois canais de operadores privados na televisão digital terrestre, mas sem data definida.

Bloco de Esquerda apresentou um projeto de lei, em janeiro, para alargar a oferta na TDT. A iniciativa acabaria por ser acompanha por PS, PCP e PEV e aprovada pelo parlamento em julho.

Portugal tem das piores ofertas de canais TDT a nível europeu, por exemplo a Espanha tem 35 canais, a Grécia 28 e a Itália 118 canais. E um milhão de famílias sem capacidade económica para contratar serviços de televisão por cabo.

Esta medida tem um impacto especial no distrito de Bragança, uma região muito envelhecida e com muitas aldeias praticamente despovoadas, onde a televisão generalista é a companhia de muitos transmontanos. Mais uma medida do Bloco de Esquerda que vem melhorar as condições de vida dos habitantes do nosso distrito.

30 de Novembro de 2016

 

BE/BRAGANÇA

Ler mais...
 
14993311_1064715030307330_3817998840497024648_n.jpg
OE2017
banner_xconv.jpg
Candidatos
autoc1_2015.jpg
Vota BE
tit_webloco.png
 Portal Esquerda.net
 Portal do Bloco de Esquerda
 Portal do Grupo Parlamentar do BE
bloco-nas-autarquias.jpg
beinternacional.jpg
Jornal
capajornalnov16.jpg
Vírus

capa virus

ParticipAcção
participa22.jpg
Manifesto Eleitoral 2015
estrelabra.jpg
© 2017 Site Distrital de Bragança - Bloco de Esquerda
Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.